Livros — 26 outubro 2017
Figuras III

A série Figuras, do teórico literário Gérard Genette, tornou-se referencial desde o início de sua publicação na França, em 1966. Junto a autores como Roland Barthes e Tzvetan Todorov, Genette foi responsável por ajudar a moldar uma ciência da narrativa e uma crítica literária nas bases do estruturalismo. Em sua abordagem, Genette investiga as maneiras como as diferentes partes do texto literário interagem, identificando e analisando-as. Desta forma, Genette busca os elementos que diferenciam um texto literário de um não-literário, ilumina os métodos pelos quais um texto literário causa seus efeitos e volta suas atenções também para a dimensão performativa da “instância narrativa” e do ato de narrar.

Os estudos que compõem o terceiro volume da série se articulam em uma sequência rigorosa: Crítica e poética, Poética e história, A retórica restrita (ou metáfora e metonímia), Metonímia em Proust (ou o nascimento da narrativa), e, por fim, Discurso da narrativa (por uma tecnologia do discurso narrativo), que é um ensaio de método “aplicado” a Em busca do tempo perdido.

Discurso cuja dualidade de abordagem pretende ser exemplar: “A especificidade proustiana é irredutível, ela não é indecomponível. Como toda obra, como todo organismo, a Busca é feita de elementos universais que ela reúne em uma totalidade singular. Analisá-la é, portanto, ir não do geral ao particular, mas do particular ao geral. Tal paradoxo é o de toda poética, sem dúvida também o de toda atividade do conhecimento, sempre dilacerada entre esses dois lugares comuns incontornáveis, que têm que os objetos só podem ser singulares, ao passo que a ciência diz respeito tão somente ao geral; sempre, no entanto, reconfortada e como que magnetizada por esta outra verdade um pouco menos corrente, a de que o geral está no âmago do singular, e que, então — contrariamente ao preconceito comum —, o compreensível está no âmago do mistério.”

Sobre o autor: Gérard Genette nasceu em 1930, em Paris. Tornou-se conhecido como crítico literário e teórico da literatura a partir de sua abordagem estruturalista do discurso narrativo. Em 1969, atuou como professor visitante na Universidade de Yale. Foi diretor de estudos e de pesquisas na École des hautes études en sciences sociales até 1994. Atualmente, é professor de literatura francesa na Sorbonne. Em 1970, fundou, junto com Hélène Cixous e Tzvetan Todorov, a revista Poétique e hoje dirige uma coleção de mesmo nome — especializada em teoria literária — na Éditions du Seuil. Junto com Roland Barthes, Genette é um dos grandes representantes da “nouvelle critique” dos anos 1960, que combina a herança da crítica francesa, o formalismo russo e o estruturalismo. Entre outras obras, publicou Palimpsestes: La Littérature au second degré [Seuil, 1982], Seuils [Seuil, 1987 / ed. bras.: Paratextos editoriais, Ateliê, 2009], Bardadrac [Seuil, 2006], Épilogue [Seuil, 2014] e Postscript [Seuil, 2016].

Figuras III
Autor: Gérard Genette
Tradução: Ana Alencar
Editora: Estação Liberdade
Páginas: 360
Preço: R$ 49,00

Relacionados

Compartilhe

(0) Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>