A Agência Nacional do Cinema – ANCINE e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) divulgaram, em 29 de dezembro, os resultados finais da Chamada Pública PRODAV 06/2017 – Suporte Automático / Linha de Desempenho Comercial e da Chamada Pública PRODAV 07/2017 – Suporte Automático / Linha de Desempenho Artístico.

As linhas de suporte automático, inspiradas nas melhores práticas internacionais de financiamento público à produção audiovisual, valorizam o mérito das empresas pelos resultados conquistados. Desta forma, possibilitam o planejamento de suas atividades e parcerias com mais consistência e previsibilidade.

Os recursos ficam disponíveis por até dois anos para investimento em novos projetos de longas-metragens, telefilmes e obras seriadas de ficção, animação e documentário, aptos a constituir espaço qualificado, selecionados pelas próprias empresas.  Os contemplados devem ficar atentos à data a partir da qual será contado o prazo de 2 anos, que será o da publicação do resultado final da Chamada Pública no Diário Oficial da União, prevista para o próximo mês.

Nesta edição da Chamada Pública PRODAV 06, o aporte de R$ 100 milhões do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) beneficiará 78 empresas brasileiras.

O Suporte Automático é estruturado em três módulos (Produção, Distribuição e Programação) e cada empresa dispõe de uma conta automática, onde são catalogados os pontos relativos ao seu desempenho ou prática comercial: receitas de bilheteria e licenciamentos de obras. Na contabilização desses pontos, que se convertem em recursos financeiros, são valorizadas ainda algumas características da obra, como a localização da produtora.

No módulo Distribuição, 10 empresas foram contempladas e dividirão R$ 30 milhões. As três primeiras colocadas foram: Imagem Filmes (R$ 9,7 milhões), Downtown Filmes (R$ 8,7 milhões) e Vitrine Filmes (R$ 6,5 milhões).

No módulo Produção, em que os titulares são produtoras independentes, R$ 50 milhões serão aplicados em novos projetos de 63 empresas que alcançaram maior pontuação. As três empresas mais bem colocadas nesta chamada pública são: Gullane Entretenimento (R$ 4,1 milhões), Lereby Produções (R$ 3,9 milhões) e Atitude Produções (R$ 3,8 milhões).

No módulo Programação, que premia as programadoras brasileiras de canais de televisão que mais investem na exibição de conteúdo nacional, os recursos, no valor de R$ 20 milhões, serão divididos por cinco empresas: Canal Brazil S.A, responsável pelo Canal Brasil, com R$ 8,9 milhões; Conceito A em Audiovisual, programadora do canal Cinebrasil TV, com R$ 4,9 milhões; Gamecorp, da Play TV, com R$ 2,2 milhões;  Synapse Programadora de Canais de TV, que mantém o Canal Curta!, com R$ 3,4 milhões e a PBI – Programadora Brasileira Independente (Box Brasil), com R$ 277 mil.

Nos módulos de programação e distribuição, as empresas contempladas com um valor acima de R$ 600 mil devem destinar ao menos 30% dos recursos para produtoras independentes sediadas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Clique aqui para acessar o resultado completo do PRODAV 06/2017 – Suporte Automático / Linha de Desempenho Comercial.

Já a Linha de Desempenho Artístico PRODAV 07/2017 – Suporte Automático do Programa Brasil de Todas as Telas, destina R$ 20 milhões, em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), a produtoras brasileiras independentes cujos filmes lançados em 2015 foram destaque em razão de premiação ou da participação em festivais nacionais e internacionais.

O valor da premiação é dividido de forma proporcional entre as empresas responsáveis pelas dez obras que obtiveram maior pontuação. Os recursos deverão ser investidos na produção de novas obras audiovisuais brasileiras de produção independente de ficção, animação ou documentário.

O filme que mais pontuou no sistema foi “Casa Grande”, da Migdal Produções, com direção de Felipe Barbosa. O longa participou de 26 festivais, entre eles Festival Internacional de San Sebastian, Festival de Roterdã e BAFICI.

Confira as dez obras com a maior pontuação e os valores destinados às produtoras:

1. “Casa Grande”; Migdal Produções Cinematográficas; R$ 3.027.989,82

2. “Que Horas Ela Volta?”; África Filmes; R$ 2.748.091,60

3. “Ausência”; Bossa Nova Films; R$ 2.468.193,39

4. “Branco Sai Preto Fica”; Cinco Da Norte-Serviços Audiovisuais; R$ 2.315.521,63

5. “Beira-Mar”; Avante Filmes; R$ 1.882.951,65

6. “Obra”; Cinematográfica Superfilmes; R$ 1.857.506,36

7. “Sangue Azul”; Drama Filmes.; R$ 1.552.162,85

8. “Depois da Chuva”; Coisa De Cinema – Cinema e Video; R$ 1.424.936,39

9. “A História da Eternidade”; AC Cavalcante Serviços; R$ 1.424.936,39

10. “Permanência”; Cinemascópio Produções Cinematográficas e Artísticas; R$ 1.297.709,92

Clique aqui para acessar a ata com o resultado o PRODAV 07/2017 – Suporte Automático / Linha de Desempenho Artístico.

Relacionados

Compartilhe

(0) Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>