Como ficam os festivais audiovisuais esse ano?

Por Maria do Rosário Caetano

Que destino terão os 359 festivais audiovisuais brasileiros, concentrados, em maioria, no segundo semestre deste ano? Se antes teriam a obrigação de adaptarem-se às peculiaridades do ano eleitoral (disputas municipais em outubro), agora terão que buscar soluções para viabilizarem-se em período de dificuldades econômicas, agravadas pela pandemia do coronavírus.

Haverá recursos para a realização de mostras e festivais tradicionais como os de Brasília, Gramado, Cine Ceará, Mostra Internacional de São Paulo e Festival do Rio? Com a crise das companhias aéreas, quanto pesará no orçamento o transporte dos convidados? E como se organizará o calendário? Como ajustá-lo se os festivais do primeiro semestre estão sendo adiados? O caso mais notável é o do É Tudo Verdade, dedicado ao cinema documentário, que foi obrigado a transferir, para setembro, sua edição presencial (substituída em sua data histórica, abril, por mostra virtual).

Também alteraram seus calendários o Festival Sesc Melhores do Ano (edição número 46), que ocuparia o CineSesc ao longo deste mês de abril, e a 7ª Mostra Tiradentes em São Paulo, que aconteceria nesta última semana de março (também no cinema da Rua Augusta paulistana). Outro evento que adiou sua realização foi o Santos Film Fest. Ele deixa o mês de junho e projeta acontecer em setembro ou outubro.

Um festival, porém, está previsto para este mês de abril, de 21 a 26: o BIFF (Brasília Internacional Film Festival). A jornalista e produtora Anna Karina de Carvalho, que antes dirigia o BIFF em parceria com o exibidor Nilson Rodrigues, assume, agora em caráter solo, a dupla função de diretora e curadora do evento brasiliense. Ela, que morou na Suécia e tem dupla cidadania (brasileira e sueca), anuncia duas novidades para a sétima edição do BIFF: “vamos exibir um filme sobre a atriz Anna Karina, realizado por Dennis Berry, e dar ênfase ao cinema infanto-juvenil”. Para tanto, foi criado o BIFF Júnior. As sessões e debates do festival acontecerão em salas do Cine Cultura Liberty Mall e Cine Brasília.

O filme sobre a atriz de “Viver a Vida” (Jean-Luc Godard, 1962) tem tudo a ver com a história do BIFF e com a trajetória da Anna Karina brasileira. Ela ganhou seu nome de batismo graças a homenagem dos pais à estrela nórdica. A primeira grande musa de Godard nasceu na Dinamarca (em 1940) e fez carreira na França, onde morreu, em dezembro do ano passado (aos 79 anos).

Em 2012, na edição inaugural do BIFF, Anna Karina foi a convidada de honra. Ela passou temporada em Brasília, ao lado do companheiro Dennis Berry, visitou exposição em sua homenagem, assistiu e debateu um de seus filmes com o público. Note-se que o festival, em sua nova fase, está previsto para começar no dia em que Brasília completa 60 anos.

Há outros festivais agendados para os próximos meses. Caso do Cine PE, previsto para Recife, de 25 a 31 de maio, e do Cachoeira DOC, no Recôncavo da Bahia (de 26 a 31 de maio). O Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba pretende realizar sua nona edição de 3 a 11 de junho. E a CineOP 15 (Mostra de Cinema de Ouro Preto), deve acontecer de 24 a 29 de junho.

O Festival Guarnicê de Cinema, de São Luís do Maranhão, programou sua edição de número 43 (trata-se de um dos festivais mais antigos do país) para o período das festas juninas (5 a 11 de junho), quando os folguedos do Bumba-Meu-Boi espalham-se pela cidade e, em especial, pelo centro histórico.

Se estiverem corretas as previsões dos epidemiologistas, o auge da pandemia do coronavírus, no Brasil, deve ocorrer ao longo do mês de abril. Depois, virá uma fase de arrefecimento. Mesmo assim, o país continuará em estado de alerta.

Se a epidemia for debelada, mesmo assim restará pergunta essencial: haverá recursos para a realização de novas edições de nossos festivais cinematográficos?

Vale lembrar que o Tribunal de Justiça de São Paulo suspendeu, temporariamente, o projeto “Janelas de São Paulo” (8 mil apresentações feitas por artistas, a partir de sua casas, via digital), no qual a Prefeitura Municipal paulistana pretende investir R$10 milhões. O juiz José Gomes Jardim Neto, segundo noticiou o jornal O Globo, suspendeu o edital e solicitou respostas a dois questionamentos: como os recursos serão usados e, caso usados, eles não fariam falta a outras medidas de combate ao coronavírus na cidade?

Como ficarão, neste quadro de adversidades, os festivais do segundo semestre? E se as eleições municipais forem adiadas (hipótese já aventada)? Com ou sem eleições, o embaralhamento financeiro se fará sentir? Estados e municípios – duas instâncias de apoio real a projetos culturais, área desprestigiada pela esfera federal – terão recursos, depois dos gastos dispendidos com o combate ao coronavírus, para o fomento artístico-cultural?

No que diz respeito aos filmes, há, ainda, boa quantidade de títulos prontos ou em finalização para serem avaliados pelas curadorias ou comissões de seleção. Eles foram realizados nos últimos anos, quando o fomento ao audiovisual se fez orgânico e notável. Mas, no ano passado e nos primeiros meses deste ano, a situação vem mudando e para pior. Há produtoras com projetos aprovados, que não conseguem acessar os recursos a que fizeram jus (via editais públicos). Se continuar assim, a queda de produção será inevitável nos próximos anos.

Uma incógnita marca a data de realização de dois dos mais importantes festivais do país: o de Brasília e o do Rio. Ambos têm o mês de setembro como data histórica. No estatuto da Fundação Cultural do DF, que deu origem à Secretaria de Cultura e Economia Criativa, previa-se um festival artístico na primavera brasiliense. Foi o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro que assumiu e consolidou a data. Mas crises (como a do Governo Collor e, agora, com o Governo Bolsonaro) o empurraram para o final do ano. Não se sabe se o festival candango acontecerá, como ano passado, no final de novembro, ou se retornará a setembro. O novo secretário de Cultura, o jornalista Bartolomeu Rodrigues, substituto de Adão Cândido (responsável pela edição do ano passado), ainda não divulgou a data, nem as características que sua gestão pretende imprimir ao evento. Pelo regulamento do festival, cabe ao titular da Secretaria presidi-lo.

Já o Festival do Rio, que vem enfrentando, nos últimos anos, fase de cortes e adiamentos, também está com a situação indefinida. Ilda Santiago, uma de suas diretoras e fundadoras, disse à Revista de CINEMA que “muitas inseguranças e incertezas” se verificam em torno da edição do maior festival fluminense. Mesmo assim – ponderou – “estamos trabalhando para ter definições concretas que nos permitam evitar o desgaste vivido no ano passado” (o festival aconteceu em dezembro, já próximo aos festejos natalinos).

O carioca Antônio Leal, diretor do Cinefoot, evento dedicado a filmes sobre futebol, é o atual presidente do Fórum dos Festivais. A instituição contabiliza 359 mostras de filmes de curta, média e/ou longa-metragem espalhadas por todas as regiões brasileiras.

Leal garante que “o Fórum permanece firme em sua missão de promover o setor de festivais e mostras”. Por isto, a instituição vem reafirmando “a importância cultural, artística, social e econômica” destas vitrines audiovisuais. “Nossa luta incansável” – justifica – “busca o fortalecimento do setor junto à sociedade, à classe audiovisual, autoridades, instituições parceiras e empresas patrocinadoras. Queremos conquistar condições cada vez mais permanentes de financiamentos dos festivais e sua consequente sustentabilidade”.

“Nosso trabalho” – prossegue – “resultou, por exemplo, na implantação da Linha de Apoio aos Festivais, na Ancine (Agência Nacional de Cinema), ação inédita que garantiu a realização de inúmeros festivais durante os anos de 2018 e 2019. Estamos neste momento atuando no sentido da renovação desta linha”.

O Fórum dos Festivais, que completou 20 anos de atividade ininterrupta, neste mês de março, tem construído, na avaliação de seu presidente, “uma trajetória que nos orgulha e impulsiona a prosseguir neste trabalho de fortalecimento constante de um setor estratégico para o audiovisual brasileiro”.

Dos 359 festivais existentes, muitos nasceram em anos recentes, em pequenos municípios brasileiros, onde jovens se reúnem para ver e debater filmes e, frequentando oficinas audiovisuais, realizar curtas-metragens sobre sua gente e realidade.

CALENDÁRIO DE (ALGUNS) FESTIVAIS

. BIFF 7 – Festival Internacional de Brasília (Biff Júnior) – De 21 a 26 de abril. Curadoria e direção de Anna Karina de Carvalho. Com première brasileira de “Anna”, filme sobre a atriz dinamarquesa Anna Karina (1940-1979)

. Festival Sesc de Melhores Filmes do Ano (Edição número 46) – Agendado para o mês de abril, o evento que movimenta o CineSesc paulistano com prêmios, exibição de filmes internacionais e brasileiros, seminários, debates e exposição ainda não tem nova data agendada

. Cine PE 24 (Festival de Cinema de Pernambuco) – Sediado no Cine São Luiz, em Recife, o festival está agendado para o período de 25 a 31 de maio

. Cachoeira DOC 9 – Realizado no Recôncavo da Bahia, o festival de cinema documentário está agendado para o período de 26 a 31 de maio

. Olhar de Cinema9 – Festival Internacional de Cinema de Curitiba – De 3 a 11 de junho, em vários cinemas da capital paranaense (filmes contemporâneos e forte núcleo histórico)

. In-Edit Brasil 12 – Festival Internacional do Documentário Musical – A décima-segunda edição do festival dedicado a documentários sobre músicos e gêneros musicais (brasileiros e estrangeiros) acontecerá em São Paulo, de 10 a 21 de junho

. Festival Guarnicê de Cinema 43 (São Luís do Maranhão) – De 5 a 11 de junho. A divulgação da lista de filmes selecionados está prevista para o próximo dia 15 de abril

. CINEOP (Mostra de Cinema de Ouro Preto) – O evento mineiro, dedicado à memória do cinema e a projetos de educação audiovisual, está marcado para o período de 24 a 29 de junho

. Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo (Edição número 15) – O evento, que acontece no Memorial da América Latina, no CineSesc e em outros espaços paulistanos, está agendado para julho

. Anima Mundi 27 (Festival Internacional de Cinema de Animação) – O maior festival de cinema de animação do país enfrentou grandes dificuldades ano passado, mas conseguiu, graças ao crowdfunding (financiamento coletivo), realizar sua vigésima-sexta edição. O festival acontecerá este ano (se conseguir recursos para tal) no Rio de Janeiro e em São Paulo, em julho. Inscrições: a definir

. Santos Film Fest 5 – Festival Internacional de Cinema de Santos – Marcado para o período de 23 de junho a 1o. de julho, foi adiado, segundo seu diretor e curador, André Azenha, “por causa da epidemia de coronavírus”. Realizado em parceria com o Circuito Roxy e Prefeitura de Santos, o Santos Film Fest aceita inscrições até 15 de abril, embora o evento tenha sido transferido para o segundo semestre. Além de mostras competitivas e informativas, haverá homenagem aos 50 anos do filme “A Moreninha”, de Glauco Mirko Laurelli

. Festival de Cinema de Gramado 48 – Cinema Brasileiro e Latino – Um dos mais tradicionais festivais de cinema do país acontecerá de 14 a 22 de agosto. Inscrições abertas até 12 de abril (para curtas e longas brasileiros e para longas ibero-americanos, que disputarão o Troféu Kikito). Em uma segunda etapa, serão abertas inscrições para a Mostra de Cinema do Rio Grande do Sul (o Gauchão), que atribui o Prêmio Assembleia Legislativa

. Festival Internacional de Curta-Metragem de São Paulo – A trigésima-primeira edição do festival paulistano acontecerá de 20 a 30 de agosto, em diversos espaços da cidade. Além de competições de curtas, haverá as tradicionais Oficinas Kinoforum

. Cinefoot (Edição número 11) – Cinema & Futebol – Em setembro. No Rio de Janeiro (em vários espaços, de 10 a 15), em São Paulo (no Museu do Futebol, de 17 a 21) e em BH (no Museu Brasileiro do Futebol, de 16 a 20). Eixo central: homenagens ao cinquentenário da conquista do Tricampeonato Mundial, pelo Brasil, no México. E, também, comemoração dos 70 anos do Maracanã. Países homenageados: México e República Tcheca. Inscrições abertas até 4 de maio

. É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários (Edição número 25) – Previsto para começar em 26 de março, com encerramento em 5 de abril, o evento, com curadoria de Amir Labaki, foi adiado para o segundo semestre (em setembro). Mas, para festejar, em sua data histórica, seus 25 anos, o ETV promove versão digital com mostras de filmes em espaços digitais da Spcine Play e Itaú Cultural, seus parceiros

. Cine Ceará – Festival Ibero-Americano de Cinema – O evento, que acontece em Fortaleza, comemora este ano seu trigésimo aniversário. Com competição de filmes da Península Ibérica e América Latina e Mostra de Cinema Cearense. De 12 a 19 de setembro

. CineBH – Mostra de Cinema de Belo Horizonte-MG – A décima-quarta edição do evento – que compõe com a Mostra Tiradentes (cinema de experimentação de linguagem) e a CineOP (cinema e memória) trinca audiovisual organizada pela Universo Produções– está agendado para o período de 29 de setembro a 4 de outubro (foco no mercado)

. FAM (Florianópolis Audiovisual Mercosul) – A vigésima-quarta edição do festival catarinenseestá agendada para o período de 24 a 30 de setembro. Ambientada no CineShow Beiramar Shopping, um dos mais belos complexos cinematográficos do país, o evento tem mostra competitiva de filmes ficcionais e documentais, vindos de países da América do Sul, em especial do Mercosul

. Festival de Cinema de Vitória 27 – Agendado para o período de 22 a 27 de setembro, o comando do festival capixaba avisa que nova data será anunciada (decerto para não coincidir com o período mais efervecente da campanha eleitoral à prefeitura da cidade). Com diversas mostras temáticas e competição de curtas e longas brasileiros. As inscrições seguem abertas até 23 de maio

. Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 44 – A quadragésima-quarta edição da Mostra Internacional de Cinema, com programação nacional e estrangeira e curadoria de Renata Almeida, está agenda para o final de outubro (21 a 31), na capital paulista

. Festival de Brasília do Cinema Brasileiro 53 – O novo comando da Secretaria de Cultura do DF, responsável pelo mais tradicional evento cinematográfico do país, ainda não anunciou a data da quinquagésima-terceira edição do evento (se ele voltará para o mês de setembro, ou se acontecerá em novembro, como ano passado)

. Mostra de Cinema de Gostoso (São Miguel do Gostoso – Rio Grande do Norte) – A sétima edição do festival potiguar está agendada para o mês de novembro. Ambientado num pequeno e aprazível município litorâneo, o festival promove debates, seminário, oficinas e mostras de filmes (os melhores são eleitos por Júri Popular, que lota imenso cinema a céu aberto, instalado nas areias da Praia do Maceió)

. Festival Aruanda do Audiovisual Brasileiro (João Pessoa) – O festival paraibano realizará em dezembro (de 3 a 9) sua décima-quinta edição, no Manaíra Shopping, complexo da Rede Cinépolis. Competição de curtas e longas brasileiros. Mostra Sob o Céu do Nordeste (só para longas nordestinos). O Troféu Aruanda presta tributo ao filme de mesmo nome, clássico do documentário brasileiro, dirigido, em 1960, por Linduarte Noronha (1930-2012), patrono do festival

Relacionados

Compartilhe

(0) Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>