Ator argentino protagoniza “O Silêncio do Céu” ao lado de Carolina Dieckmann
Carolina Dieckmann, Marco Dutra e Leonardo Sbaraglia

O ator argentino Leonardo Sbaraglia passou por São Paulo para reencontrar a equipe de “O Silêncio do Céu”, que ele protagoniza ao lado da brasileira Carolina Dieckmann, e para participar de diálogo com jornalistas e alunos da Escola Wolf Maia, no Teatro Nair Bello, no Shopping Frei Caneca, em São Paulo. O filme, um drama com pitadas de suspense e tragédia, dirigido por Marco Dutra (“Trabalhar Cansa” e “Quando Eu Era Vivo”) será lançado no dia 22 de setembro.

Aos 46 anos, Leonardo Sbaraglia segue com sua fama de bom ator, sempre acompanhado do fino humor portenho e de sua cuia de chimarrão (ele preparou e sorveu seu mate quente, com muito gosto durante a entrevista). Quando perguntei a ele se tem dupla nacionalidade, argentina e espanhola, como seus conterrâneos Cecília Roth e Ricardo Darín, brincou: “este privilégio, o Rei (Juan Carlos, de Espanha) concedeu aos dois, Cecília e Ricardo, que se tornaram, por sua vez, os reis da coprodução”. Depois, lembrou que tem dupla nacionalidade, sim. Só que argentina e italiana. “Por causa de meus avós, imigrantes nascidos na Itália”.

O astro de “Plata Quemada” viu sua fama crescer ainda mais ao atuar no mais pop dos episódios de “Relatos Selvagens”. Ele protagoniza “O Mais Forte”, aquele em que estabelece disputa alucinada com um pobretão que ousa desafiá-lo: a ele e a seu carrão caríssimo.

Nos dois últimos anos, além de “O Silêncio do Céu”, Sbaraglia fez mais cinco filmes (entre eles “O Final do Túnel”, de Rodrigo Grande, e “Sangue na Boca”, de Hermán Belón, no qual revive o boxeador Ramón Ávila, vindo dos arrabaldes de Buenos Aires). Em todos, foi protagonista. E, nos palcos, continua mostrando “El Território do Poder”, espetáculo que faz questão de encaixar em cada brecha deixada pela apertada agenda cinematográfica e televisiva.

Em “O Silêncio do Céu”, Sbaraglia interpreta um roteirista de cinema, atormentado por muitas fobias. Um dia, ao regressar ao lar, encontra a bela mulher (Carolina Dieckman) sendo estuprada por dois homens. Faz tudo para enfrentar seus medos e tirá-la daquela situação brutal. Mas não consegue. Resolve, então, abandonar o médico que tenta ajudá-lo a curar suas fobias e traça, obsessivamente, seu plano de vingança. Plano que acredita ser reparador.

Leonardo Sbaraglia, que convive bem com o adjetivo “workaholic”, assegura que não pôde recusar nenhuma das cinco propostas que recebeu depois de “O Silêncio do Céu”. “Eram todas muito boas, me ofereceram personagens bem diferentes uns dos outros e todos me desafiaram”. Mas admite que está necessitado “de um bom descanso”.

Quando subiu ao palco do Teatro Nair Bello, o ator abraçou Carolina Dieckman com força e por longo tempo. Matava saudades das semanas que passaram juntos em Montevideo, vivendo o casal que não tem coragem de abordar acontecimento tão trágico em suas vidas (o estupro dela, por ele presenciado). Daí o “silêncio” presente no título brasileiro.

No final do encontro com a imprensa e com os estudantes de Artes Cênicas, Leo & Carol (eles se tratam assim) cantaram juntos a jobiniana “Corcovado”. Carolina disse que o argentino é “louco por esta canção”. E ele retribuiu: “ela me ensinava os versos em português”.

Marco Dutra viu tanta intimidade dos dois nos momentos dedicados ao clássico bossa-novista, que resolveu inserir a canção num flashback no filme. “Quis” – explicou – “mostrar o casal, que vive momento tão difícil, cantando Corcovado num momento de intimidade já distante”.

Mário, o personagem de Sbaraglia, – segundo explicação do ator – “cria uma nova identidade para si”, depois de acovardar-se e não tirar a mulher do jugo dos dois estupradores. E o faz, “ao ponto de usar o nome do médico que tenta curá-lo, por acreditar que ao ficcionalizar a própria vida (exerce o ofício de roteirista) e apostar na vingança, ele está se tratando, buscando a cura de suas fobias”. O personagem “até assume certa valentia, passa a andar armado com um revolver e crê que, agindo assim, chegará à verdade, ao entendimento com a mulher, Diana (Carolina Dieckman), mãe de seus dois filhos”.

América Latina

“O Silêncio do Céu” é mais que um filme brasileiro. A ele cabe, como luva, a definição de filme latino-americano (falado em espanhol e português, filmado e ambientado no Uruguai, com elenco argentino-brasileiro-uruguaio). No Festival de Gramado, participou da competição brasileira, e não da latina, e conquistou o Prêmio da Crítica, o Especial do Júri e o Kikito de melhor som (para Daniel Turin e Fernando Henna). Os filmes (curtos e longos) de Marco Dutra costumam chamar atenção pela sofisticação de suas soluções sonoras.

A ideia de adaptar o romance argentino “En el Cielo”, de Sérgio Bizzo, veio do produtor brasileiro Rodrigo Teixeira, durante um jantar, em Buenos Aires, com o escritor e sua mulher, a cineasta e roteirista Lucia Puenzo (diretora de “XXY” e de “O Médico Alemão”). Os dois argentinos prepararam o roteiro original. Quando Marco Dutra assumiu a função de diretor convidado, ele chamou Caetano Gotardo (diretor de “O que se Move”) para recriá-lo. O que foi feito. “O final do romance é redentor”, registra Dutra. “Já o final do nosso filme é trágico, no sentido grego”.

Teixeira, hoje um dos mais importantes produtores do país, iniciou sua trajetória, em São Paulo, com produções de baixíssimo orçamento, baseadas em obras literárias. Depois de montar carteira variada, foi parar nos EUA (é coprodutor de “Frances Ha” e “A Bruxa”, este vendeu 600 mil ingressos em nossos cinemas) e, agora, depois da série “O Hipnotizador”, exibida pela HBO e com Sbaraglia no elenco, amplia sua ação ao mercado latino-americano.

Para “O Silêncio do Céu”, Teixeira e Dutra mobilizaram o jovem Chino Darín, filho do astro portenho Ricardo Darín, e os uruguaios Mirella Pascual, de “Whisky”, Álvaro Armand Ugón, Roberto Suárez, Dylan Cortes e Priscila Bellora. A outra presença brasileira no elenco, a atriz paulistana Paula Cohen, é filha de uruguaios.

 

Por Maria do Rosário Caetano

Relacionados

Compartilhe

(1) Reader Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>