Artigos Colunas Produção Audiovisual — 29 setembro 2011
Pensando a fotografia digital

Por Katia Coelho

"A Via Láctea", dirigido por Lina Chamie. Foto: Alice Marco

Lembrar a todos que o cinema digital está rodando a 24 quadros equivale a dizer que o digital quer ser cinema, ele quer democratizar, pluralizar a linguagem, mas não é seu desejo banalizar a imagem. Essa crise da identidade da imagem digital chega, em muitos momentos, com força a mim e a muitos dos meus colegas diretores de fotografia.

Receptiva à chegada do formato, fotografei “A Via Láctea”, filme dirigido pela cineasta Lina Chamie, captado com a câmera Mini-DV Panasonic DVX100, recém-lançada na época. O filme foi feito com a consciência de que aquela imagem, testada em todas as suas locações internas e exteriores noturnos, era a correta para narrar aquela história. Havíamos feito juntas “Tônica Dominante”, longa-metragem captado em película 35 mm em linguagem mais clássica. “A Via Láctea” representou o Brasil no Festival de Cannes em 2007, foi exibido em mais de 50 festivais internacionais e isso nos trouxe a certeza de que a forma de captação foi corretamente escolhida como narrativa da imagem.

Após “A Via Láctea” filmei “Corpos Celestes”, dirigido por Marcos Jorge e Fernando Severo, captado em 35 mm; “O Senhor do Labirinto”, dirigido por Geraldo Motta e Gisella de Mello, em Super 16 mm com posterior ampliação; fiz também um longa-metragem em Super 8 que foi concebido para posterior ampliação em 35 mm em testes feitos na preparação da filmagem. No ano passado, fiz projetos com a Red e em Super 35. Meus próximos longas serão captados nos mais variados formatos, do digital ao Super 35 mm. Em paralelo às parcerias com meus colegas diretores, o próprio digital, com seus erros e acertos, me fez desejar outras formas de realizar o cinema. Venho escrevendo roteiros com o diretor de fotografia Naji Sidki, e estamos nos preparando para a filmagem de um curta-metragem em 3D, parceria com a Cinepro/Dot além de um documentário de longa-metragem filmado com duas câmeras Red em captações simultâneas.

Outro aspecto do nosso trabalho como diretor de fotografia diz respeito à exibição, projeção ótica ou digital. Por vezes, tem sido frustrante a exibição dos filmes que fotografo. A não obediência a normas mundiais estabelecidas em relação ao que seria a qualidade da exibição digital pode trazer muitas frustrações no trabalho do diretor e do diretor de fotografia.

Nada contra formas variadas de exibição, mas tudo a favor de que se estabeleçam normas nos desenhos do workflow do início ao fim de um projeto. Filmes que foram pensados inicialmente como uma futura ampliação, ao serem projetados digitalmente fora dos padrões das normas estabelecidas, perdem a riqueza do grão que foi somado na textura do transfer e da cópia. O grão é um fator de importância na narrativa de uma história se assim foi previamente determinado. O que seria o pontilhismo na pintura sem o grão?

O cinema nasceu mudo. O som digital procura ainda seu espaço absoluto se impondo nas salas de cinema como parte da sensibilização que o filme pode agregar ao espectador. Contudo, temo que ele, o cinema, tenha deixado de ser mudo, mas esteja ficando cego. A imagem, confusa, procura entender o que ela mesma representa. O cinema brasileiro vem ganhando prestígio, com sua qualidade no fazer e no dizer, em festivais internacionais, mas a autoestima do seu produto tem que existir dentro do próprio país.

Novas normas de pensamento para o digital devem ser estabelecidas desde a captação até a exibição, visando à preservação da espécie do cineasta e do diretor de fotografia brasileiro. É extremamente necessário que o prazer de construir e ver uma imagem sobreviva.

 

Katia Coelho é diretora de fotografia de “A Via Láctea” entre outros filmes.

Relacionados

Compartilhe

(1) Reader Comment

  1. Somos jovens ainda o futuro nos espera!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>