Seberg Contra Todos
"Seberg Contra Todos", de Benedict Andrews

Por Maria do Rosário Caetano

Um filme, “Seberg Contra Todos”, e uma série de TV, “Quem Matou Malcolm X?”, permitirão aos interessados na luta pelos direitos civis programa duplo e de fácil acesso. O primeiro está em cartaz nos cinemas brasileiros (estreia dessa quinta-feira, 5 de março) e o segundo é um dos destaques da temporada, na Netflix. Os dois se passam no mesmo tempo histórico, a efervescente e rebelde década de 1960.

“Seberg Contra Todos”, dirigido pelo australiano Benedict Andrews e protagonizado pela atriz Kristen Stewart, famosa pelo blockbuster teen “Crepúsculo”, acompanha conturbado período da vida da atriz norte-americana Jean Seberg (1938-1979), aquele que a aproximou de um ativista dos Panteras Negras, Hakim Jamal (Anthony Mackie), fato que teria rendido a ela dura perseguição do FBI.

Já a série “Quem Matou Malcolm X?”, formatada em seis eletrizantes capítulos pela dupla Phil Betelsen e Rachel Dretzin, propõe – e empreende – convincente devassa no conturbado julgamento dos assassinos do ativista Malcolm X (1925-1965). Guiado pelo historiador e também ativista Abdul Rahman Muhammad, o documentário reúne poderosa documentação sobre intromissões do mesmo FBI no julgamento. Intromissões que podem ter gerado grave erro judiciário. Afinal – garante a série – quem portava a espingarda que deu o tiro fatal no criador da Organização de Unidade Afro-Americana e ex-militante da Nação do Islã, não foi sequer arrolado entre os quatro jovens julgados (e condenados) pelo crime. Três deles sempre alegaram inocência.

Por que aproximar dois projetos tão diferentes (um, de natureza ficcional, com personagem coprotagonista inventado, e o outro, apegado a sólido número de documentos encontrados em arquivos de importantes instituições americanas)? Porque os dois projetos nos revelam muito dos anos em que a luta pelos direitos civis (em especial contra o racismo) movia milhares de cidadãos afro-americanos e mobilizavam apoiadores, nos meios intelectuais e artísticos, como Jean Seberg.

Comecemos pelo filme dedicado à atriz louro-platinada, que encantou o mundo quando interpretou a jovem Patricia Franchini, em “Acossado” (Jean-Luc Godard, 1960). Nascida em Marshaltown, Ohio, nos EUA, ela foi, no frescor de seus 21 anos, à Paris submeter-se a teste para interpretar Joana D’Arc, em filme de mesmo nome, sob direção de Otto Preminger. Corria o ano de 1957.

A linda Jean Seberg derrotou, com seu rosto angelical de adolescente, oito mil candidatas e ganhou o papel. Nas filmagens, na crucial cena em que Joana era queimada na fogueira, as chamas se alastraram, para pavor da atriz, que sofreu queimaduras reais na barriga. Esta imagem-pesadelo abre, em caráter evocativo, o filme “Seberg Contra Todos”.

Antes de coprotagonizar, com Jean-Paul Belmondo, “Acossado”, o mais badalado filme da Nouvelle Vague, Seberg fizera dois outros longas de grande repercussão na Europa: “Bom Dia, Tristeza” (Preminger, 1958), a partir de romance de Françoise Sagan, e a comédia “O Rato que Ruge” (Jack Arnold, 1959), este, ao lado de Peter Sellers.

Ao longo de sua carreira, Jean Seberg trabalhou muito na França. Dois de seus quatro matrimônios tiveram como cônjuges cidadãos franceses, o cineasta François Moreuil (de 1958 a 1960) e o escritor Romain Gary (de 1960 a 1970). Sem falar no franco-argelino Ahmed Hasni (1978-1979). Ela morreu em Paris (de forma trágica e misteriosa, dentro de um carro, aos 40 anos).

Ao longo de quase duas décadas, a atriz, que vivia entre os EUA e a França, atuou em 35 filmes. Alguns bons, outros ruins, sucessos e fracassos. Um deles, o castástrofe movie “Aeroporto” (George Seaton, 1970) virou um blockbuster. Sob a direção do marido Romain Gary, ela atuou, no papel de uma ninfomaníaca, em “Desejo Insaciável” (“Birds in Peru”, 1979).

Um dos escritores mais famosos da França, detentor de dois prêmios Goncourt (um com o pseudônimo de Émile Ajar), Gary efetuou algumas aventuras no cinema. Foi conquistado para o ofício depois que seu romance “A Vida à sua Frente” transformou-se em “Madame Rosa” (Moshé Mizrahi, 1977). Com Simone de Signoret à frente do elenco, o filme ganhou o Oscar de melhor produção estrangeira e rendeu imensa badalação. Detalhe curioso: Sophia Loren acaba de repetir, no cinema, o papel que, no filme original, coube a Senhora Yves Montand.

Em “Seberg Contra Todos”, Romain Gary é um coadjuvante de segunda linha. Quem vê aquele marido de cabelos brancos (ele era 24 anos mais velho que a esposa-atriz) pensa tratar-se de um zé mané e não um dos romancistas mais festejados de seu tempo.

Quem assume o protagonismo no filme de Benedict Andrews é Jack Solomon (Jack O’Connell), um dos agentes designados pelo FBI para espionar a atriz. Afinal, ao conhecer o pantera negra Hakim Jamal, em avião que os trazia de Paris, ela iniciaria relação de apoio (inclusive financeiro) ao partido criado pelos afro-americanos.

Segundo o filme (a informação é controvertida), Jean Seberg tornar-se-ia amante de Hakim, casado com a belíssima Dorothy (Zazie Beetz), mãe de seus filhos. Na época, 1968, a atriz de “Acossado” ainda estava casada com Romain Gary.

“Seberg Contra Todos” concentra-se em curto período da vida da atriz (1968 a 1970). Da experiência com Godard só ficaram (na tela) os cabelos curtíssimos, imitados por muitas jovens (inclusive pela filha rebelde de um ultra-reacionário agente do FBI).

O fictício Jack Solomon, também muito jovem e recém-casado, inicia sua missão de espionagem com empenho total. Bisbilhota de forma ultra-invasiva a vida da atriz. Entra às escondidas na mansão dela, apossa-se de documentos (em especial recibos de doações), vigia os encontros dela com Hakim e vai montando o perfil de uma subversiva. Uma atriz que agiria contra a pátria, ao apoiar os Panteras Negras (e relacionar-se com um homem negro).

Os excessos da vigilância – o FBI chega a produzir panfleto ultrajante, distribuído na escola mantida pelos Panteras Negras, onde atua Dorothy Hakim – acabarão por mostrar a Jack Solomon, que a instituição comanda por J. Edgar Hoover engendrara maquiavélico plano de difamação contra a atriz. Esta é parte folhetinesca do filme.

Benedict Andrews selecionou bem sua protagonista. Kristen Stewart, que também vem fazendo carreira na França (vide os dois filmes que realizou com Olivier Assayas, “Acima das Nuvens” e “Personal Shopper”), interpreta Jean Seberg com grande entrega. Mas o cineasta não está à altura da complexa e trágica história que se propôs a contar. O roteiro (de Joe Shrapnel e Anna Waterhouse) é convencional e raso. Sua direção é previsível.

Já “Quem Matou Malcolm X?” é um ótimo documentário. Depois de assisti-lo, concluiremos que muito aprendemos sobre a complexidade da luta dos negros norte-americanos pelo fim do racismo. Luta que tinha na religião seu principal esteio. A base religiosa de dois de seus maiores líderes (o pastor Martin Luther King e Malcolm X, pregador da Nação do Islã) era essencial, estruturante.

A riqueza dos arquivos de som e imagens dos EUA são de causar inveja até à França e seu poderoso INA (Instituto Nacional de Aquivos). Não há monotonia no documentário, tamanha a riqueza de imagens, até porque o FBI registrava praticamente tudo. Registrava e preservava.

Há que se ponderar que os seis episódios de Betelsen e Dretzin trazem alguma redundância. Mas elas são fruto da ira missionária do carismático Abdul Rahman, peça-chave na narrativa. Ele, afinal, entregou boa parte de sua vida à tarefa de vasculhar os mais diversos arquivos e colher obsessivamente dezenas de depoimentos. Encontrou indícios e, depois, provas de que o julgamento dos condenados pela morte de Malcolm X não foi feito com o devido rigor.

Autoridades judiciais norte-americanas pensam até em reabrir o caso para novo julgamento. Passados 54 anos (Malcolm X tinha apenas 39 anos), muitos dos personagens dessa trágica história já morreram. Mas limpar o nome de inocentes trará, a seus herdeiros, o sentimento de verdadeira justiça. E paz ao incansável Abdul Rahman.


Seberg Contra Todos
Inglaterra/EUA, 102 minutos, 2019
Direção: Benedict Andrews
Roteiro: Joe Shrapnel e Anna Waterhouse
Elenco: Kristen Stewart, Jack Solomon, Anthony Mackie, Zazie Beetz, Margaret Qualley, Vince Vaughn
Distribuição: Cinecolor Films Brasil

Quem Matou Malcolm X?
Série de Phil Betelsen e Rachel Dretzin
Seis capítulos de 40 minutos cada
Documentário conduzido por Abdul Rahman Muhammad, com farta documentação vinda de arquivos de Nova York e Nova Jersey. E do FBI (Bureau Federal de Investigação)
Disponível na Netflix

Relacionados

Compartilhe

(1) Reader Comment

  1. Ainda não vi “Seberg”, mas assino embaixo da crítica da Maria do Rosário ao doc sobre MalcolmX. O máximo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>