“Medida Provisória” surpreende nas bilheterias e deve ampliar circuito exibidor

Por Maria do Rosário Caetano

“Medida Provisória”, segundo longa-metragem de Lázaro Ramos, vendeu mais de 80 mil ingressos em seus quatro primeiros dias de exibição. Estreou em 193 salas na última quinta-feira, véspera do feriado de Corpus Christi, e tem outro generoso feriado pela frente, o 21 de abril, dedicado a Tiradentes e à inauguração de Brasília.

Sabrina Nudeliman Wagon, CEO da Elo Company, distribuidora deste filme, que é o responsável pela mobilização de quase cem profissionais negros (entre atores, diretor, roteiristas e técnicos) acredita que “o circuito vai crescer”, pois “a procura dos espectadores tem sido muito boa e nosso relacionamento com os exibidores é muito próximo”. Para acrescentar: “essa foi uma das semanas mais concorridas do ano, com o fim do estado de emergência da Covid-19 e muitos lançamentos fortes das ‘majors’, sendo que nosso filme performou acima das expectativas”.

Sabrina conta que “Medida Provisória” está indo bem, em especial, no Nordeste e no Circuito Espaço Itaú de Cinema”. Para comprovar o que ela diz, basta conferir o depoimento do programador do Cine São Luiz, do Recife, o crítico e professor Luiz Joaquim: “só aqui em nossa sala foram vendidos, até agora, cerca de 3,5 mil ingressos (incluindo a histórica sessão de pré-estreia). Acredito que, se os complexos de cinema não forem bobos, e eles não são, esse raio do circuito deve mesmo aumentar”. E também o de Cláudio Marques, programador do Cine Metha Glauber Rocha, em Salvador, que registrou no Facebbok: “no primeiro dia de exibição de ‘Medida Provisória’, contamos com 771 e espectadores e fechamos o final de semana, ou seja, os quatro primeiros dias, com quase dois mil ingressos, uma bilheteria excepcional”.

A turma da Elo Company, comandada por Sabrina, está tão entusiasmada, que tem estatística para respaldar qualquer pergunta. Um exemplo: “o Espaço Itaú de Cinema responde por 18% da bilheteria de nosso filme, mesmo com menor número de salas. A Cinemark vem em segundo lugar, com 15%, e o Kinoplex com 12%. A UCI (também com menor número de salas) marcou 12%”.

No circuito de arte, o filme está indo muito bem. Em Porto Algre, o Cineclube dos Bancários teve sessões lotadas. Mesmo caso do Cine Cultura de Palmas, capital do Tocantins, segundo testemunho de sua programadora, Elisângela Dantas. “Dá gosto ver a afluência do público”, garantiu ela à Revista de CINEMA.

Sabrina Nudeliman Wagon continua com as comparações que enchem de entusiasmo a turma da Elo Company e a equipe técnico-artística de Lázaro Ramos (afinal, o cineasta vivencia sua primeira experiência com o circuito exibidor, já que seu primeiro longa, “Bando de Teatro Olodum”, contou com lançamento modesto): “’Medida Provisória’ teve a segunda maior estreia nacional do ano, ficando atrás apenas de “Tô Ryca 2”, o filme protagonizado por Samantha Schmütz”.

Na comparação com “Marighella”, longa de estreia de Wagner Moura, ator baiano e compadre de Lázaro, “tivemos uma abertura 162% superior (média de 439 espectadores por sala x 272)”. E a empresária prossegue com suas abundantes estatísticas: “com 82 mil ingressos contabilizados até a manhã dessa segunda-feira, 18 de abril – e olhe que nem todas salas reportaram seus borderôs! – acredito que chegaremos a 90 mil”. Já “Marighella, lançado em 279 salas teve uma arrancada de 76 mil ingressos. Nosso circuito foi de 188 salas (o Boletim Filme B registra 193)”.

A CEO da Elo Company tem mais uma consideração a fazer: “a performance do circuito exibidor de nosso filme (“Medida Provisória”) reflete em vários aspectos o padrão de “Bacurau” e “Marighella” com forte participação do Circuito Itaú e de praças do Nordeste. O Itaú Augusta se destaca por ser o cinema de melhor performance para estes três longas brasileiros”.

“Bacurau” fechou sua carreira com mais de 900 mil ingressos vendidos. “Marighella” com mais de 350 mil. O filme de Lázaro Ramos poderá chegar a 500 mil espectadores?

Sabrina não nega fogo: “pode sim! Se tivemos uma abertura superior a ‘Marighella’, em menos salas, por que não podemos torcer por 400 mil ou 500 mil espectadores? Não vamos medir esforços para tanto. Trabalharemos incansavelmente”.

E é o que vem fazendo o pequeno Exército de Brancaleone, ou melhor de Lázaro Ramos. O diretor, seus atores, roteiristas, técnicos e distribuidores não descansam. Trabalham sem trégua. Lázaro e Taís Araújo, protagonista feminina do filme, cumprem agenda interminável de entrevistas (até no “Roda Viva” o Mister Brau foi parar). Uma rede de solidariedade se formou na internet. O público afro-brasileiro abraçou “Medida Provisória”. E muitos brancos também. Ver o filme tornou-se ato cívico, demonstração de apoio à causa histórica dos que lutam contra o racismo estrutural brasileiro.

Relacionados

Compartilhe

(1) Reader Comment

  1. Gente, por gentileza corrijam esse texto: Estreou em 193 salas na última quinta-feira, véspera do feriado de CORPHUS CRISTH e tem outro generoso feriado pela frente, …. O feriado foi da Páscoa e não de corphus Crhisti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>